Continuação do Conto: Minha História, Minha Vida - CONTINUAÇÃO 5

Eu sai da casa dele era 5 horas da tarde o horário que sairia da escola. Eu fui para minha casa parecendo que estava pisando em nuvens e naquele dia a noite não teria novamente aula, eu me retirei logo cedo para meu quarto, naquele dia o meu irmão não foi namorar então logo ele também foi para o quarto, e me falou, que tal a gente fazer hoje por completo.

Eu respondi para ele, ontem foi a primeira e a ultima vez que fizemos aquilo, nem pensar, ele foi fechou a porta do quarto com chave, foi em uma gaveta e pegou o tubo que eu antes usava para me masturbar pensando no Marcos Antonio, e me falou, que tal se eu chamar o papai aqui e mostrar esse tubo pra ele e contar que eu vi você usando esse tudo enfiando no seu cu.

Eu falei, quero ver o papai acreditar nisso, você não tem provas de que eu fazia isso.

Ele sorrindo falou, você é inocente mesmo hein, depois do dia que você me chantageou para eu não mais transar com o Tico, eu me preparei para qualquer situação que aparecesse, você não se precavia das cosias, tomava banho com a janela aberta, olhe essas fotos que eu tirei de você, e ele falou não adianta você rasgar porque eu tenho os negativos escondidos, agora que eu comecei, eu quero terminar, e para falar a verdade cansei de comer o Tico, já estava sem graça o cu dele já estava alargado de tanto ele dar, ele não podia ver um pau duro que estava sentando em cima.

Eu pensei bem o mais importante já me aconteceu já dei o cu verdadeiramente para o Marcos Antonio, o Marcos sempre será no meu intento o primeiro que verdadeiramente me possuiu, agora esse meu irmão com a chantagem e o pau menor, quero ver ele sentir o mesmo que sentiu ontem, amanhã terei motivo para ir novamente de ir para a casa do Marcos Antonio e gozar sentado naquele maravilhoso pau.

Para que meu irmão não percebesse nada eu falei, tudo bem eu deixo você me penetrar, e quem sabe ir até ao mais fundo se você deixar eu te penetrar também, ele com um sorriso no rosto me falou, estou dentro do negócio, eu já dei mesmo o cu para tantos carinhas, fazendo troca-troca, fazer mais um com você não me fará mal nenhum.

Então naquele dia meu irmão novamente me chupou e eu também o chupei só que pensando na relação amorosa que tinha tido com o Marcos Antonio, depois ele ficou de quatro e eu fui comecei a pincelar o cu dele e depois fui enterrando o meu pau no cu dele, eu percebia ele ficar vermelho, eu não esperei ele se acostumar e fui logo mexendo e gozando dentro daquele cu enchendo-o com minha porra, logo depois ele pediu para eu ficar de quatro, mas ele viu meu cu todo vermelho e m falou, o que aconteceu?

Eu disfarçando falei, esqueceu de ontem, foi assim que você me deixou.

Ele me falou nem penetrei tudo e ficou assim, agora então o seu cu vai virar todo para fora.

Eu respondi espero que não porque amanhã eu terei aula de educação física no SENAI e se ficar tudo para fora é bem possível que os meninos percebam porque tem aqueles que dão o cu e no outro dia eles têm de passar na pica de todos os meninos mais pervertidos do SENAI. E eu não quero isso. Então o meu irmão falou, eu vou fazer com bastante cuidado para que isso não aconteça.

E o meu irmão começou a me penetrar, no começo eu senti somente ódio por ele estar me chantageando, mas depois com os movimentos delicados dele dentro de mim eu fui ficando excitado e gostando da deliciosa massagem interna que em poucos minutos eu estava gozando novamente e sentindo-o despejar dentro de mim rios de porra, que pensei não sei como consegue tanta.

No outro dia na hora do almoço lá estava eu nos braços do Marco Antonio, ele me possuindo com toda a volúpia e eu tendo prazeres indescritíveis.

E na noite transando com meu irmão o sentindo gozar a quantidade enorme de porra dentro de mim.

Essa relação durou entre eu dando de dia para o Marcos Antonio e à noite para meu irmão durou mais de 10 anos, mesmo eu formado no SENAI, pela sorte do destino o Marcos Antonio fora trabalhar junto a mim na mesma empresa, e o meu irmão todo afoito que era, na idade de 19 anos se casou, e passou a me procurar com raridade, e eu passei a pertencer mais ao Marcos Antonio, até parecer na vida dele o Adilson e na minha o Carlinhos, que isso é outra história cheia de carinhos afetos e sexo.

Autor: Jaime Pereira
E-mail - Não Divulgado
MSN - Não Divulgado
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta