Continuação do Conto: Minha História, Minha Vida - CONTINUAÇÃO 1

No momento em que eu estava chegando perto da casa deles, eu senti um arrepio na espinha e pensei comigo, eu não fiz nada para eles, e eles não tem nada contra mim, eu não tenho que ter medo, eu não vou desviar deles.

No momento que estava passando por eles, eles cercaram a rua, eles me agarraram e falaram, agora você vai ver, o que acontece com pessoa que nos ameaça, eu amedrontado eu falei, mas eu não os ameacei, foram vocês que vivem me ameaçando, você pensa que o Tico não nos contou, se ele é teu gayzinho também, não temos culpa que ele goste de dar para nós também, se está com ciúmes o problema é seu, mas não venha nos ameaçar.

Eu falei cara, vocês estão enganados eu nunca comi o Tico, ele se ofereceu para mim, mas eu o recusei, vocês estão enganados.

Eles me responderam você é que se enganou com nós, você bateu no Tico, ele veio aqui todo marcado falando que você bateu nele por ciúmes, agora você vai ter é com nós, você vai levar tanta pica nesse seu cu, que nunca mais vai pensar em ameaçar outra pessoa, e você ameaçou ele também que se você o visse sair daqui novamente contaria aos pais dele que fomos nós que violentamos ele.

Eu amedrontado falei caras, vocês estão enganados; Vocês me verão sou completamente virgem, eu não sou do tipo de pessoa que vocês estão pensando.

Mas os moços não deram ouvidos, e me agarraram e eles começaram a me arrastar para dentro da casa deles eu falei caras, me deixem vou gritar.

Eles sorrindo falaram é verdade você vai gritar com uma pica no cu, isso é se conseguir porque terá outra na boca e se você morder, você estará ferrado, vamos fazer pior do que fizemos com o Tico na primeira vez, porque ele mentiu para nós falando que era a sua primeira vez que ele ia dar o cu, mas quando fomos comer ele, ele não tinha nem uma prega no cu, então fizemos uma dupla penetração nele só para ele ver o que significa mentir para nós. Ele não precisava mentir, e nós o comeríamos ele com prazer, isso é foi o maior prazer comer ele fazendo uma dupla penetração, uma coisa que fizemos só com os travécos na cadeia, mas ele aprendeu a lição agora vem e nós comemos ele numa boa, e todos os gays que aparecerem e quiser dar para nós, nós estaremos aqui para come-los pois gostamos e comer mais um cu do que uma buceta.

Eu naquele dia estava usando uma camiseta branca e uma calça jeans azul (uniforme escolar), e eu usava uma sunguinha que entrava no meu rego, onde me deixava cheio de excitação e evidenciava mais a minha bunda, mas não esperava pelo que estava passando, certo é eu pensava que em algum dia eu iria dar o meu cu, mas seria com bastante delicadeza e amor, eu já tinha em mente para quem seria.

Que seria para o Marcos Antonio, pois ele era um tesão de menino além de ser bem dotado, eu não conhecera nenhum menino mais bonito e educado igual a ele, e nós tínhamos começado a fazer uma amizade legal, o Marcos Antonio me confidenciara que estava transando com um primo e que estava gostando pacas do envolvimento, ele me contava que ele já tinha transado com algumas meninas. Mas o primo dele não era bonito, mas sabia satisfazer o desejo dele, só que ele estava notando que ultimamente o primo dele estava ficando diferente e ele estava percebendo que o cu do primo dele estava ficando alargado, ele não sabia se era porque ele estava transando com o primo quase todos os dias ou se o primo estava o traindo, ele achava que a segunda opção era a mais certa, se fosse verdade ele não saberia o que iria fazer, na verdade ele não amava o primo, mas estava acostumado transar com ele, que, no entanto ele nem se masturbava mais, e eu para consolá-lo falava para ele que ele era muito bonito e seria difícil o primo dele traí-lo com outra pessoa, no intimo eu torcia para ser verdade para eu poder consolá-lo mais intimamente e me declarar para ele.

Mas naquele momento eu estava nas mãos daqueles brutamontes e nem sabia o que poderia acontecer comigo, possivelmente os três iria me comer na força, me machucar e não faria sentir o prazer que eu pensava em sentir quando alguém me comesse, igual a alguns gayzinhos que eu conhecia lá na escola, e contava o prazer que eles sentiam na hora de que eles estavam sendo possuídos. E até mesmo o Tico me contou no ultimo dia que o encontrei saindo da casa dos três moços.

Só que tinha um, porém os moços não sabiam nada de minha vida que eu tivera doenças e era muito frágil, e os moços me arrastaram para dentro da casa, e eles foram tirando a minha camiseta às forças e começaram tirar o meu tênis e minha calça, no momento em que viram minha sunguinha enfiada no meu rego, o moço que era mais desaforado era também o primeiro a ter me ameaçado falou, eu disse para vocês, que esse moleque era um gay enrrustido, meu pressentimento nunca falha, eu me debatia, e falava, cara vocês vão se arrepender o que vocês estão fazendo comigo, eles falaram nós nunca arrependemos de que fazemos, você é que nunca mais vai esquecer desse dia e vai ficar igual ao Tico querendo dar para nós todos os dias.

No momento em que eles tiraram a minha sunga, o cara que me ameaçou no primeiro dia falou, olhe só pessoal, esse cara tem pregas no cu, os meninos que comeram ele os paus eram pequenos ou ele é mesmo virgem, hoje nós vamos tirar a barriga da miséria, faz tempo que não comemos um cuzinho virgem, até mesmo das gurias que vem dar pra nós tem aquelas que são virgens na frente, mas o cu já todo alargado.

Eu chorando de medo do porvir falava cara eu sou virgem, não sou gay, me deixem ir que não contarei nada para ninguém e juro por Deus e todos os Santos eu não ameacei o Tico e foi ele que me ameaçou.

O cara que me tinha ameaçado pela primeira vez falou cara agora já é tarde, eu já estou todo excitado por esse cu, e eu serei o primeiro a te comer. Eu chorando falando caras não façam isso comigo, se vocês me machucarem vocês vão se arrepender meu pai trabalha junto com policiais, meu irmão mais velho está na academia de policia.

Os caras falaram, nós não temos medo e polícia, nós já fomos presidiários, nos três nos conhecemos foi na cadeia, e lá decidimos que quando saíssemos de lá um ia ajudar o outro se vingar dos que nos colocaram lá dentro, nós conseguimos nos vingar de todos, agora estamos vivendo do lucro, da primeira vez que fomos para a prisão nós éramos inocentes, agora se formos preso temos motivos, foi lá que passamos a gostar de comer cu de homens.

O cara me pegou jogou- me em um sofá velho fedido a mofo, eu já estava nu, ele segurou as minhas perna abriu-as e começou a beijar minhas pernas, eu tentava me esquivar, os outros, foram tirando a roupa quando ficaram nus já com seus membros duros foi um pegando o pau e esfregando em meu rosto, falando que era para eu abrir a boca, eu cerrava os dentes, o outro me segurava até o que havia prometido ser o primeiro a me comer ficar nu, eu me debatia, no momento que o outro ficou nu, ele voltou novamente a beijar minhas pernas e foi descendo até chega à coxa, e começou a lamber as minhas coxas, e logo depois eu o senti lambendo a região que fica entre o saco e o meu cu, aquilo foi me fazendo ficar excitado, mais que eu queria me esquivar, mas aquilo foi me deixando mole, logo senti a língua dele passeando pelas pregas de meu cu, eu sentia aquilo, foi me deixando mole, e o cara pegou em cima da mesa de centro da sala um tubo de uma pomada e começou a passar em meu cu, logo senti o dedo dele entrar em mim, isso para mim não era nenhuma novidade, pois eu sempre que podia enfiava o dedo, cheguei a enfiar um pequeno tubo fino e com a ponta arredondada em mim, eu me masturbava imaginando ser penetrado pelo Marcos Antonio, mas logo depois ele levantou e começou a pincelar o seu pau em meu cu, eu fui ficando com medo, no momento em que ele forçou eu dei um berro de dor o outro aproveitando atolou o pau em minha boca, só que eu não senti mais nada, minhas vistas escureceram, só acordei, já vestido, na cama do hospital.

Não posso dizer mais nada do que aconteceu comigo, só sei que meus pais falaram que eu estava demorando em chegar então eles iam sair para me encontrar, quando chegaram ao portão me encontraram caído desmaiado nu com as minhas roupas todas jogado em cima de mim, eles me levaram para dentro fizeram de tudo para eu voltar, mas não conseguiram, então chamaram uma ambulância e me levaram para o hospital, os médicos me examinaram, falaram a meu pai que tentou me violentar, só que não conseguiram de fato.

Eu tinha uma lesão no ânus, mas era só na entrada, e resquícios de espermas no rosto, não conseguiram adentrar em mim, possivelmente por ter desmaiado ou tido uma convulsão nervosa, meu pai todo nervoso ele me perguntava o que tinha acontecido, eu amedrontado falava, que eu não me lembrava direito, só sabia que estava tinha saído da escola mais cedo porque tinha tido prova, e que eu estava chegando perto de casa e eu fui agarrado, e não me lembrava de mais nada.

Eu voltando do hospital para casa foi a vez da família do Tico ir a minha casa me visitar, para mim foi difícil dar de cara com o Tico, só que no momento em que a família dele foi para a sala; o Tico com voz de raiva me contou, você os fez mudarem daqui, eles ficaram com medo de ter matado você, você é um fracote, não agüentou um pau no cu, e ainda tem coragem de me ameaçar?

Eu com desdém falei, olhe só você está bravinha porque seus amantes mudaram, o problema é seu, e tem outra coisa, eles podem ser bonitos e na verdade são uns tesões, só que não sabem nem primeiro preparar o campo para depois foder e dar prazer, eles já querem ir direto ao ato, você é tolo se rebaixar a tanto só de dar o cu e nem ser acariciado antes, você tem de se valorizar, você é um cara bonito, tem um corpo legal, quando você se valorizar, você vai sentir o prazer do sexo, e não só de ser um depósito de porra.

Ele ficou olhando para mim boquiaberto nem sabia o que falar então ele disse você também é homo?

CONTINUA...

Autor: Jaime Pereira
E-mail - Não Divulgado
MSN - Não Divulgado
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta