Continuação do Conto: Chupando o Primo

Ele já tinha bebido antes de chegar na festa, olhou pra mim, e sorriu. Confesso que fiquei surpreso porque ele mal falava comigo, e em êxtase por dentro, porque era o sorriso mais lindo que eu já tinha visto.

Minhas primas conheciam os amigos dele, e foram pra lá e me apresentaram. foi engraçado, logo aquele sorriso que ele tinha me dado anteriormente, se fechou! (ciumes, será?)

Ao poucos, bebendo e dançando, nós fomos se soltando, e começamos a nos falar. ele já começava a gritar, dizer que ama a familia dele, a mãe dele, coisas de bebado.. a festa acabou, os amigos dele foram embora, e ele ficou só, convidei pra ir no meu carro com as meninas. ele aceitou.. e viemos zoando dentro do carro. passei na casa da minha avó e deixei as meninas, e ficamos só eu e ele no carro.

Ele tava sem camisa, porque estava com calor, fiquei imaginando coisas só de vê-lo sem camisa, e o volume na sua calça. queria ter coragem de fazer algo ali mesmo no carro, mas não avancei o sinal porque ele disse que não tava muito bem. chegando na casa da minha tia, levei ele até a porta, ela ja estava dormindo, peguei as chaves abri a porta.

Ele tava muito bêbado, me abraçou, e disse tu é meu irmão doido, eu anran, tá. beleza levei-o até a cama, dei água pra ele, tirei sua calça, e deixei-o só de cueca, fiquei admirando ele, confesso que já não tava mais suportando, e ele só ria. deitou na cama, de olhos fechados. eu tirei minha roupa, desliguei as luzes, e deitei na cama com ele porque não havia onde dormir mais..

Fiquei ali do lado dele, de costas pra ele, sentindo sua respiração ofegante no meu pescoço, ele ria o tempo todo (tava adorando) eu mandava ele se calar, porque se não iria acordar todo mundo, ele falou que não iria dormir.. segundos depois olhei ele estava de olhos fechados, achei que ele estava dormindo, liguei a luz do meu celular, e vi ele sem a cueca, estava apenas com um lençol no penis, não aguentei pirei de tesão. meu pau já tava duro, e eu não sabia o que fazer.. até que por impulso, eu encostei a mão no seu abdomen, e começei a fazer caricias, ele se assustou.

Eu mais ainda por achar que ele estava dormindo, e pensei tou aqui, não pode acontecer o pior, e fui passando minha mão por todo o seu corpo. descendo pela barriga, fui até o seu pau, e fiquei acariciando, em questão de segundos, já estava duro, segurava com gosto suas bolas, peguei o celular pra ver seu pau, não parecia ser muito grande, tinha mais ou menos uns 17 cm e era o suficiente pra mim. desliguei a luz, e começei a chupar suas bolas .. ele ainda fingia que dormia, mais tava adorando.

Chupava suas bolas com gosto, comecei a lamber a cabecinha que começava a soltar baba, eu estava com uma sede de tesão que nunca vi na vida. chupava e lambia seu pau como se fosse um pirulito, uma delicia, batia uma enquanto chupava, 17 cm, era o suficiente pra mim, eu colocava todo na boca, chupava, colocava e tirava de dentro da boca, batia na minha cara com o penis dele, eu bombando no meu penis, até que eu ja nao aguentava mais queria muito que ele me fudesse mais ele mal tinha forças, e fingia que dormia.

Tive que ficar na punheta, até que gozei pra caramba , mas me contentava só em estar chupando seu pau.. que a essa hora ja começava a latejar, e eu como uma criança com seu pirulito, esperava a surpresa, comecei a chupar mais e mais, até que ele gozou litros na minha boca, e na minha cara, engoli tudo .. me limpei, e e limpei ele, já que ele nao tinha condições. dei um beijo nele. que já estava dormindo. e vesti sua cueca, e a minha, e fui dormir.

No dia seguinte ele nem olhava na minha cara.

Eu fazia o mesmo, obvio. não dava moral nenhuma.. E toda vez que chego no interior, e na casa dele é assim.. falo com ele por educação.

A ultima vez que fui lá ele estava namorando uma garota, que mora longe da casa dele.. confesso que eu não vejo a hora de voltar pra lá, e fazer com que ele vá pra alguma festinha pra brincarmos depois. haha

Beijos pessoal, breve novos contos

Autor: Gabs luck
E-mail - eideliciamedaumamordida@hotmail.com
MSN - Não Divulagado
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta