... Entrei em casa e Marcos já foi me beijando e me levou pra cama e disse que tinha uma surpresa pra mim...

Isso foi o que eu descrevi no final da parte anterior, demorei um pouco pra fazer essa parte e, porque tive muitos contratempos, mas vamos a continuação:

Naquela noite do ocorrido ai em cima, Marcos me entregou uma caixinha de presente, eu achei estranho pois não era meu aniversário, e nem alguma data especial, ele me entregou um cartãozinho que estava escrito isso:

- Abre e veja o que tem dentro, você vai gostar minha putinha, é com todo o amor que eu tenho por você.

Achei lindo o que meu homem me disse, e desembrulhei devagar a caixa e tinha um baby-doll lá dentro, olhei pra ele e comecei a rir, ai ele estranhou eu estar rindo, eu achei estranho ganhar um baby-doll, ai ele me disse:

- Quero te ver usando esse baby-doll de hoje em diante, quer ser puta, tem que se vestir igual puta, e pro teu macho, usará só isso sempre aqui dentro de casa, na oficina usara roupas normais, não quero minha cadelinha se exibindo pra outros homens, porque você é só minha puta, aqui eu sou dono e mando em você também.

Fiquei meio estranho com isso mas aceitei, já estava quase casado com aquele macho lindo, nem retruquei, afinal era ele quem mandava em tudo ali.

Logo eu falei pra ele:

- Esta certo, vou te obedecer meu amor, mas quero te pedir uma coisa, como eu sou só tua puta, quero que você seja somente meu macho, não quero que você faça sexo com outros homens que não seja eu, quer que eu seja fiel, também quero fidelidade.

Ele me falou que nunca havia me traído, mas que eu já não podia dizer o mesmo, eu achei que ele sabia, dos meus casos com Henzo e Jorge, mas não, depois de ouvir isso Marcos ficou furioso, me esmurrou, me socou contra uma parede e me xingou de tudo o que foi nome, de puta, cadela, quenga, vadia, arrombada, vagabunda, boqueteira, eu e ele brigamos feio, ajuntei minhas coisas e sai de sua casa, mas antes de sair eu olhei bem nos seus olhos e lhe disse:

- Você vai sentir minha falta, logo vai querer tua puta de volta. espere, e ele me encostou na parede e disse-me:

- Suma daqui vadia, não te quero mais, vai embora da minha casa, o que eu quero é ter prazer, quero foder, e se não for com você será com outros homens, e mulheres também, isso de fidelidade não funciona comigo, eu mando na minha vida. somente a minha puta tem que ser fiel, Me beijou a força e me empurrou porta a fora.

Fui embora de sua casa chorando, atravessei a rua e fui a minha casa, arrumei o restante das minhas coisas na mala e sai em direção a rodoviária, e fui chorando durante o percurso, e ao chegar em frente a parada dos motoboys, Jorge estava ali fora de plantão, era o único naquela semana, ele me viu chorando e perguntou:

- O que é que aconteceu que estas chorando puta?

Lhe contei o que havia me ocorrido e chorei mais ainda, Jorge fechou a casinha dos motoboys e veio até mim e disse:

- Seu marido é um idiota, um imbecil, em perder um viadinho lindo e gostoso igual você, olha eu estou sozinho aqui está noite, quer me fazer companhia, eu deixo você me chupar, e faço o que você quiser, fiquei tarado em você sua puta, desde a última vez que eu te comi, quando te levei pra comprar as peças pra oficina do teu macho idiota, eu estava com uma roupa pra chuva e peladão por baixo, porque quando chove eu faço as corridas de moto, com aquela roupa e sempre SEM CUECA, por ser mais confortável nos dias de chuva, e você me disse que era uma puta e tarada em um macho que não usa cueca, que era puta do Marcos, e eu te comi no matinho, lembrou?

Lembrei sim e topei na hora, estava magoado pelo que Marcos me disse, acabei me entregando a Jorge ali mesmo, ele tirou sua camisa, comecei beijando seus mamilos e seu sovaco, fui abrindo sua calça e como não tava chovendo ele tava de cueca, e de pinto duro, suguei aquele pau, por cima da cueca, e fui me despindo, ele me virou, enfiou seu dedo no meu cu, me realargando, me virou de 4 e lambeu meu rego, meu pau endureceu na hora e sentindo aquela língua me molhando o cu me deu tesão, me ajeitou no seu colo e me penetrou com aquele pauzão que já me fazia sentir falta, socava forte e eu gemia fino, feito puta mesmo, trepamos um bom tempo, até que o celular de Jorge tocou, chamando pra corrida, rapidamente ele colocou a cueca, a calça e a camisa, me beijou e disse:

Fique aqui cuidando do ponto pra mim, eu vou fazer uma corrida e já volto, para ganhar dinheiro pra te dar tudo do bom e melhor. Jorge subiu na moto e saiu. Fiquei ali fora sentado cuidando do ponto, quando chega um outro motoboy que foi falar com Jorge, nem desceu da moto, só abriu a viseira do capacete, perguntou pelo Jorge, eu disse que foi fazer uma corrida, o cara simplesmente foi embora, nem deixou eu terminar de falar, o telefone interno do ponto tocou e fui atender, era Jorge, ele me falou:

- Oi minha putinha, estou no interior da cidade, vim fazer uma corrida que vai gerar uma boa grana, agora são 16:00 horas e se até as 18:30 horas eu não retornar você fecha o ponto e me espera, la na casa atrás do ponto, e na cama, que hoje você vai levar a noite toda, beijo minha cadelinha. tchau.

Desliguei e fiquei esperando passar as horas, nada dele retornar, até que chegou 18:30 e fiz o que ele mandou, fechei o ponto e fui pra casa la dentro, tomei um banho rápido, me perfumei todo e coloquei o baby-doll que ganhei do imbecil do Marcos, não demora muito e logo Jorge chega, entra e me vê toda arrumadinha pra ele, tirou a roupa assim mesmo todo suado, e me vira de costas, lambe meu rego, enfia um, dedo no meu cu, depois outro, e soca aquele pauzão com força no meu cuzinho, cheguei a ver estrelas, e soca até o talo, me arregaçando mais ainda, me comia com vontade, eu estava nas nuvens com aquele homem, passou uma hora de sexo, e ele foi tomar banho, nesse momento, eu voltei a me recompor, ele vem na porta do banheiro e diz:

- Liga pra pizzaria e pede duas pizzas pra gente, do sabor que quiser, eu vou de moto buscar, não quero você dando em cima do entregador.

Porque agora tu é minha mulherzinha, vou te comer toda a noite, quero casar com você viadinho, pra tu saber o que é um homem de verdade. Amanhã tu vai morar na minha casa, aqui é só um pouso dos motoboy de plantão, não podes morar aqui.

Eu estava radiante com a proposta, já que Marcos me dispensou, arrumei um macho novo, que me tratava como eu queria, fazia tudo pra me agradar. No outro dia fui me instalar em sua casa, eu não conseguia acreditar que um homem bonito daquele morava sozinho, tudo organizado, e agora moro com ele, sou sua puta toda a noite, mas não termina por ai, CONTINUA...



Autor:John
E-mail - Não Divulgado
Skype - Não Divulgado
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta.