Sempre fui macho, nunca tive tesão por homens, meu negocio era buceta, mas tudo mudou um dia em que precisei de um motoboy para me levar até a oficina para pegar meu carro.

Quando o chamei pelo telefone ele perguntou se poderia vir de bermuda pois já estava em casa e não queria vestir uma calça, respondi que não tinha problema.

Assim que ele chegou na minha casa tocou o interfone e liberei o portão para ele entrar. Como moro sozinho ando sempre nu ou só de cueca em casa.

Quando ele entrou eu estava vestindo uma cueca e deu para perceber o olhar dele em meu pau. Me vesti e seguimos para a oficina, só que o motoboy ficava freando a moto por qualquer coisa e nessas eu ia de encontro ao seu corpo, no começo fiquei meio constrangido mas depois fui sentindo uma coisa estranha e comecei a gostar das freadas e meu pau começou a ficar duro e cada vez que ele freava eu ia com mais força de encontro a sua bunda.

Chegamos e quando fui pagar ele disse que era cortesia e que foi muito prazerosa a corrida e quando eu precisasse ele estava ao meu inteiro dispor, agradeci e ele foi embora. Peguei o carro e fui para casa, no trajeto não parei de pensar no motoboy e comecei a ter fantasias com ele, Meu pau estava babando de tanto tesão e isso me incomodava bastante, porque eu nunca tive tesão por homens.

Chegando em casa corri para o chuveiro para esfriar o corpo e tentar esquecer essa fantasia, foi pior , quando sentir o jato de agua tocar o meu corpo meu tesão aumentou, e comecei a me tocar imaginando ele beijando meu corpo e chupando meu cuzinho. Comecei a fazer movimentos bem gostoso na minha rola e sentir um tesão vindo do meu cuzinho e imediatamente fui colocando um dedo bem devagar porque eu nunca tinha tido nenhum tipo de caricias nessa região, quando percebi já estava com três dedos atolados e delirando de prazer, gozei como um louco, nunca sentir tanto prazer.

Terminei o banho e fui jantar com um grande sentimento de culpa. Não sabia mais se eu era homem ou gay ou bi. nessa noite não consegui dormir, os pensamentos dominavam minha mente, meu pau estava duro como pedra e todo babado, bati outra punheta e gozei bastante. Acordei logo cedo e decidi ligar para ele, disse que meu carro não pegou e precisava dos seus serviços, ele chegou rápido tocou o interfone e eu liberei o portão, quando ele chegou na sala eu estava completamente nu com o pau duro, ele ficou admirando sem dizer nada, para quebrar o gelo perguntei se ele não queria um cafezinho, ele aceitou , como eu continuei pelado ele não tirava os olhos do meu pau e isso aumentava mais o meu tesão.

Perguntei se minha nudez o incomodava ele disse que estava adorando e perguntou se podia ficar pelado, respondi que sim e ele começou a se despir, sentir o maior tesão quando vi aquela pica saltando da cueca, era uma pica roliça com a cabeça arredondada, não era grande nem grossa mas muito gostosa para a minha primeira vez como puta.

Ele já estava completamente nu e se aproximou e começou a acariciar o meu pau, meu coração quase saia pela boca, era uma sensação de tesão e medo que eu sentia, ele chegou e me deu um selinho e tentou introduzir a sua língua na minha boca sentir repulsa e esquivei o rosto. Ele ficou de joelhos e começou a chupar o meu pau com tanto carinho que eu me esforçava para não gozar. Fomos para o quarto e eu dei a minha primeira mamada em um macho, meio sem jeito mas meu parceiro foi me ensinando e logo peguei jeito, se eu soubesse como era gostoso chupar uma rola eu tinha iniciado logo cedo.

Nesse momento eu já estava entregue a toda luxuria que viesse a acontecer. Ele veio e ficou em cima de mim e me deu um belo beijo de língua que foi correspondido com todo prazer e começamos a trocar deliciosos beijos. ele chegou no meu ouvido e perguntou se eu queria ser sua putinha e sabia que eu tinha o cuzinho virgem e queria tirar o meu cabaço, fiquei louco como uma adolescente quando esta preste a perder o cabaço.

Fiquei de costas e ele começou a beijar a minha nuca e falar que queria enfiar sua pica todinha no meu cuzinho, ele foi descendo com aquela língua maravilhosa até chegar no meu cuzinho, que coisa maravilhosa que sensação gostosa. Ele tentava enfiar a língua no meu cuzinho, foi quando eu já não aguentava mais e pedir para ele enfiar aquela pica gostosa no meu cu, que a essa hora piscava doido por pica.

Ele pegou um creme no banheiro e lambuzou minha bunda e começou a fazer massagem no meu cuzinho com os dedos para ir alargando para receber o seu mastro.

Pedi para ele colocar logo porque eu já não aguentava mais, ele foi botando a cabeça bem devagar, eu não sabia se era prazer ou dor que estava sentido, mas era muito gostoso, quando sentir que o pau dele estava todo no meu cu, comecei a rebolar para dar prazer ao meu macho que me chamava de puta e que o meu cu era melhor que o da sua esposa gostoso isso foi demais.

Pedia para ele repetir e dizer que eu era mais gostosa que sua mulher, ele dizia palavrões e dava tapa na minha bunda. Pedi para ficar sentado no pau dele queria gozar beijando aquela boca gostosa que ainda tinha o cheiro da minha pica.

Sentei no torno e comei a rebolar como uma vadia e ele ia batendo uma punheta em mim para gozarmos juntos, ele gozou primeiro e foi logo pegando o meu pau e fazendo um boquete bem gostoso, gozei na boca do meu macho que engoliu toda a minha porra, o que escorreu pelos lábios ele me obrigou a lamber e deixar a sua boca toda limpa.

Esqueci de apresentar o nome do meu amante é Dantas, hoje somos mais que amantes.



Autor: José
E-mail - bispo28@live.com
Skype - Não Divulgado
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta