Desde pequeno sempre tive bundão, pernão, e como era gordinho tinha peitão também, e sempre fui alto.

Morava no interior do ES, e na minha época era muito bobo, não tinha malicia nenhuma, não era como hoje em dia que os meninos sabem mais que a gente.

Pois bem, estava na época adolescente, e estava com os hormônios a mil, era muito tímido, era virgem de tudo, o máximo que fazia era bater punheta dentro do banheiro.

Tinha também uma tara na bunda da minha mãe, que era enorme, e sempre engolia as calcinhas dela, então quando conseguia ver ela de calcinha, corria para o banheiro e batia uma para ela.

Com o tempo comecei a cheirar as calcinhas de minha mãe e bater punheta, até que percebi que minha bunda era tão grande quanto a dela, então comecei a colocar suas calcinhas no banheiro e olhava no espelho meu bundão engolindo elas e me acabava na punheta.

Bem, quando estava com 18 anos, reparava que praticamente não tinha pelos no corpo e que tinha um bundão que volta e meia pegava colegas olhando para ela, e ficava sem graça, porém me perturbava, mas a educação que tinha na época me impedia de me soltar.

Tinha dois primos, que no inicio achei que era brincadeira, porém já não era mais criança, e entendi o que queriam.

Nos finais de semana, íamos ao sitio de meu pai, que ficava próximo da Cidade, lá tinha piscina, campo de futebol, cachoeirinha, entre outras diversões.

Neste final de semana Pedro e João, meus primos, foram para lá, eles eram mais velhos que eu, Pedro devia ter uns 25 anos e João uns 21 anos, e tinham também uma secura pela minha bunda que tive certeza neste dia.

Fomos direto para o quarto da casa para botar as sungas para ir para piscina, enquanto meus pais descarregavam o carro, quando chegamos lá, sem malicia nenhuma tirei meu calção e camisa e os dois ficaram parados observando, a minha bundona desnuda, em seguida tiraram seus calções e não consegui disfarçar o espanto quando vi o pinto do Pedro, devia ter uns 21 cm e grosso, e o do João devia ter uns 18 cm pouca coisa mais fino, e ambos estavam duros, minha reação foi dizer:

- Nossa que que é isso?

- É meu pinto, que tá feliz em ver sua bundona branca. Disse Pedro, e os dois deram uma risada sacana.

Eu assustado disse:

- Sai dessa cara.

Colocava a sunga vermelha rápido, e na época elas eram finas do lado e pareciam calcinhas de biquíni, o que realçava ainda mais minha bunda. Saí correndo para a piscina, mas não antes de olhar novamente para aquelas picas enormes.

Estava em parafuso, pois não queria acreditar que tinha me dado tesão aqueles pintos imensos.

Depois de um tempo os dois chegaram na piscina e começamos brincar de lutinha, que logicamente foi idéia do Pedro, e os dois como já imaginava, começaram a lutar contra mim.

Só tinha nós dois na piscina, nesta altura do campeonato meu pai tinha ido encontrar com o caseiro e minha mãe estava arrumando a casa, que ficava longe.

Então me pegavam e me jogavam para o lado, os dois me jogavam para cima, e com o tempo a coisa foi esquentando mais e sentia mãos apertando meus peitos, enquanto Pedro me agarrava por trás e podia sentir sua pica enorme atolada na minha bunda por cima da minha sunga, e os dois se revesavam, hora era Pedro e hora o João.

Quando dei por mim estava com meu pintinho durinho também, e quem percebeu foi o João que passou a mão nele por cima da sunga.

Perdi a cabeça, e me entreguei a brincadeira deles, correndo o risco de ser flagrado.

Agora, quando Pedro foi esfregar seu caralhão na minha bunda, eu esfreguei ela em seu pau, e ele gemia baixo e fazia movimentos de vai e vem, não demorou puxou minha sunga de lado e sentiu minha bundona na pele, apertou e alojou seu cacete no meio dela e começou a esfregar.

- Não eu gritei.

- Não se preocupe só vou ficar esfregando.

Já não conseguia me controlar, mexia meu bundão e não demorou senti um liquido quente esquentando minha bunda.

- Também quero. João gritou e já tava com o pinto na mão se encaixando atrás de mim.

Eu não resisti e peguei o pau do Pedro na mão, já meia bomba, e fiquei punhetando, e esfregava o bundão com meu cuzinho piscando no pau do João, que me retribuía esfregando com a mão meu pintinho em cima da sunga, e não demorou eu gozei muito, sujando minha sunga toda, e em seguida João colocou seu pau na portinha de meu cuzinho virgem e ficou forçando a entrada, eu até que tentei ajudar, mas só a cabecinha começou a entrar e João despejou sua porra que senti entrar em minha bundinha.

Quando dei por mim já estava com o cacete do Pedro duro de novo em minha mão e o do João amolecendo na outra.

Larguei os dois ali, e corri para o banheiro da piscina para me lavar.

Não demorou veio o Pedro, com seu cacetão e disse:

- Não fica assim, você sabe que gostou, e quem tem uma bunda dessas tem que saber usa-la, deixa eu te ensinar, você vai adorar, e o João está lá fora vigiando se alguém chegar, chupa aqui, chupa!!!

Ainda excitado caí de boca naquele poste, e matei toda minha vontade repreendida, enquanto Pedro jogava óleo de bronzear na minha bunda e espalhava nela toda, e eu ali peladinho com um pau enorme na boca e uma mão me alisando a bunda, até que enfiou o indicador no meu cuzinho virgem, eu dei um gritinho de dor, mas com o óleo facilitou bem e me acostumei e já rebolava em seu dedo, em seguida, mais relaxado, já enfiou 2, e estava me sentindo uma vadia, até que Pedro lubrificou sua vara, me colocou de quatro, e disse:

- Que bunda linda, vou te fazer uma cadelinha.

Estranhamente aceitei, estava doido para ser possuído, então senti a cabeça lubrificada pelo óleo entrar e começou uma dor muito grande, então falei para ele.

- Deixa que eu coloco de vagar.

Comecei a empurrar meu rabão de vagarinho e parava até que senti mais da metade dele dentro de mim. O meu tesão estava a mil, e comecei a meter minha bunda de vagarinho indo e vindo, Pedro ia a loucura.

- Sempre sonhei em comer sua bundona gostosa.

João ouvindo isso, abriu a porta e entrou, trancando em seguida.

Imediatamente colocou-me para chupar seu cacete gostoso, o que fiz igual uma putinha.

Estava tomando pica na bunda pela primeira vez e estava adorando e para melhorar com uma pica gostosa na boca, me sentia muito puta.

Pedro começou a meter gostoso e dar tapas em minha bunda, já estava socando tudo dentro, foi quando senti muita porra quente dentro de mim, e ainda continuou metendo até seu pau começar a ficar meia bomba, quando tirou e colocou para eu limpar com a boca e tomar o restinho de porra que havia ainda em sua uretra.

Quando curtia o gostinho da porra do Pedro, senti os 18 cm do João enterrar em meu cuzão arrombado e a partir daí foi só alegria, meteu muito e gozei com o piru no cu, igual uma piranha, e então senti o leite quente novamente me inundar.

Quando tirou, tinha porra escorrendo em toda minha perna e bunda, morri de tesão queria que ficasse para sempre dentro de mim, mas não parava de escorrer.

De repente ouvimos minha mãe chamar para almoçar, colocamos nossas sungas correndo e saímos logo do banheiro, eu com o cuzão arrombado e as pernas bambas e os dois machos com satisfação garantida.

Mas este final de semana rendeu mais coisa, afinal de contas, estava a fim de ser a menininha deles, realmente estavam me ensinando o que jamais deixaria de gostar, apesar de ser casado hoje, e gostar de comer a buceta e o cuzão de minha esposa gostosa.

Em breve, conto o que aconteceu no restante do final de semana no sitio.


Autor: Rabudo
E-mail - jjosss@globomail.com
Skype - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.