Tenho 29 anos, 188, 87kg, sarado, loiro, 20 cm de pau grosso, mas passivo, submisso e moro em São Paulo. Sempre curti ser dominado.

Meu sonho era encontrar um dominador que usasse e abusasse sem pena de mim. Foi por isso que criei perfis em sites de dominação.

Um dia recebi a mensagem de um perfil sem fotos. A descrição era interessante: era um casal jovem, procurando mais um sub para ser usado na relação.

Fiquei excitado na hora com a possibilidade de ser dominado por um master e também por outro slave.

Trocamos mensagens e skype, passamos a conversar por lá. O dominador tinha um papo bem sacana e, logo de cara, pediu pra eu mostrar a cara.

Sempre tive receio, principalmente sem ver quem estava do outro lado. Mas o tesão foi maior e mostrei. Pedi pra ver foto dele e ele propôs um jogo.

Disse que ficou bem a fim, que eu sentiria muito tesão se topasse. Perguntou se eu me excitaria em seguir o papo "no escuro", me entregando aos poucos mas sem saber quem estava do outro lado.

Na hora o tesão falou mais alto que a razão e topei. Me mandou abrir a cam, ficar pelado. Ajoelhei, mostrei a cara, fui contando o que curtia. Então falou que queriam encontrar comigo. Topei e fui até o local indicado, um apartamento perto do Ibirapuera.

A ordem era subir e entrar. Estaria tudo escuro. Era pra fechar a porta, ajoelhar virado para a parede, fechar os olhos e colocar as mãos pra trás. Com o pau mais duro da minha vida, obedeci.

Escutei passos e um capuz foi colocado em mim. As mãos algemadas. Não tinha mais controle. Era dos caras.

Fui levado para um quarto, que depois vi que tinha isolamento acústico e todos os equipamentos comuns em filmes de dominação. Chicotes, consolos, correntes, jaula, mesas, cruzes para prender e tudo mais.

Não diziam nada. Fui deixado lá, dentro de uma jaula, por mais de uma hora. Quando voltaram, me tiraram, levaram para o meio e começaram a abusar. Aos poucos, foram rasgando minha roupa.

Fiquei em pânico, imaginando como voltaria para casa, mas não tinha o que fazer. Percebi que só um deles falava comigo. Me dava ordens, xingava, orientava o slave a judiar de mim.

Algum tempo depois, já marcado de surras, com o corpo todo escrito com palavras humilhantes, eles tiraram meu capuz. Estavam de máscara e com roupas de couro.

Não dava pra ver muito, mas era claro que eram bem gostosos. O dominador mais alto, o sub mais baixo. Fui torturado por mais um tempo, bastante xingado e humilhado. Depois, estuprado sem pena por mais de uma hora.

Quando meu rabo não aguentava mais, fui amarrado e fistado. Nunca tinha sido antes e doeu bastante. Minha cara de dor e meus gemidos excitavam mais ainda os dois.

Tomei porra dos dois. Depois, mijaram em alguns copos e me fizeram tomar. Algemaram de novo, prenderam na jaula, saíram e me largaram lá, no escuro.

Depois de mais ou menos uns 40 minutos, eles voltaram. Quando acenderam a luz, tive a maior supresa da minha vida. O slave era um grande amigo meu, da minha cidade.

O dominador, o namorado dele, que eu não conhecia pessoalmente, só de fotos. Por isso só ele falava comigo, pra eu não reconhecer a voz do meu amigo. E o local era o ape do namorado, que eu também não sabia onde ficava antes.

Preso dentro da jaula, depois de horas de tortura e humilhação, e exposto na frente dos dois, a sensação era de tesão e constrangimento.

Disse que não tinha ideia que eram eles. Sequer sabia que eles curtiam aquilo tudo. Eles também disseram que ficaram surpresos quando comecei a teclar com eles e decidiram seguir com aquelas regras, que acabei topando.

Falaram que me queriam como slave deles. Antes que eu desse alguma resposta, o dominador completou: na verdade você não tem escolha, já decidimos que você será nosso escravinho. Fiquei mudo e os dois riram. Falaram que eu ia entender por que não tinha saída.

Me tiraram da jaula e levaram pra o quarto ao lado, que era uma espécie de "central de controle". Aí percebi que a sala de dominação tinha um monte de câmeras e toda a sessão de humilhação tinha sido filmada.

Me assisti sendo detonado pelos dois, mas só eu era totalmente exposto, já que minha cara aparecia e eles estavam mascarados. Enquanto via, meu amigo foi embora. Fiquei só com o namorado dele.

Começou a explicar como seria dali pra frente: era pra obedece-lo, ou meu vídeo iria pro xtube. Que o sub dele, meu amigo, não concordava com o vídeo virar público como castigo de desobediência, mas que ele era slave e não poderia impedir nada. Quem mandava e dava as regras era ele.

Não tinha escolha e aceitei. Ele sentou num sofá, me fez chupar a rola grande grossa dele. Foi tirando mais fotos e filmando com o iphone.

Meu pau estava muito duro. Perguntei se podia gozar. Ele falou que não. E ainda me apresentou mais uma surpresa: um chasity belt.

Prendeu no meu pau e falou que eu iria ficar um bom tempo sem gozar.

Começava ali minha história como putinha do casal gostoso.

Autor: Escravo
E-mail - gatosigilobrasil@live.com
MSN - gatosigilobrasil@live.com
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta