Meu nome é Rafael e tenho 26 anos. Sou bi e namoro mulheres, mas confesso que tenho um grande prazer por homens também.

Sempre fui fissurado em sexo e desde os 10 anos comecei a descobrir o prazer de gozar. Morava em um condomínio onde tinha muitos amigos, todos da mesma idade. Aprontávamos muito e como todos os moleques que estão descobrindo os prazeres da vida, falávamos muito de sexo, e por dividir nossas intimidades, era considerado o punheteiro da turma.

Brincávamos de verdade e desafio, mês castigo e outras brincadeiras que nos desafiavam a mostrar ainda mais nossas intimidades, e foi nessas brincadeiras que fui percebendo o meu interesse pelo mesmo sexo. Tínhamos por volta dos 12 e 13 anos... Corpos novos, pelos ralinhos e frescos saindo do corpo, mas paus que ja endureciam e gozavam como de adultos.

Apos um dia andando de bicicleta, jogando bola e aprontando pelo bairro, voltamos para o condomínio e todos foram para suas casas assistir os desenhos que passavam a tarde na TV, com exceção eu, que havia esquecido minha chave dentro de casa, e minha mãe havia saído.

Um dos meus amigos Bruno, não quis me deixar sozinho e então ficou comigo ate minha mãe chegar. Então ele disse: "Ja que não estamos fazendo nada, vamos na 'base'?!"

A 'base' era o nome do esconderijo dos meninos que descobrimos dentro do condomínio. Era o acesso ao estuque e laje do prédio. Subimos discretamente ate la. Eu sem objetivo, já o Bruno... Tinha um objetivo secreto que passei a conhecer aquela tarde.

- Vamos brincar de lutinha?!

- Lutinha Bruno?! Aqui?!

- Aposto que você nunca brincou de lutinha assim! Tira seu pau pra fora!

- O que?! Pra que cara?!

- Shiii! Frangote arregou a luta?! Vai cara tira logo!

Sem entender como seria, meu coração batia forte só pelo ato de me expor pro meu amigo. Não só tirei meu pau pra fora como toda a bermuda e cueca.

- Mas pra brigar tem ficar de pau duro!

Achei estranho as regras do jogo, mas nem precisou me estimular pra ficar de pau duro. Ao ver meu amigo arrancando totalmente a roupa, meu pau subiu e endureceu como pedra. E ele disse:

- Caralho, seu pau ficou duraço! Ta com tesao de me ver cara?!

- Cala a boca! Vai! Como se joga essa 'lutinha'!!

- Assim!

Ele me abraçou e começou a roçar o pau duro dele no meu e 'brigávamos' como guerreiros com nossas espadas. Meu coração estava disparado. Nunca tinha tido uma experiência tão erótica assim. A única vez foi uma tentativa de sexo que fiz com uma namoradinha do colégio.

Suava no calor daquele estuque, e a única ventilação era a porta para a laje que deixamos aberta pra clarear o ambiente. O tesao era tanto que ele não só roçava o pau em mim, começou a mamar meu mamilo e chupar meu pescoço. Meu pau pulsava de tanto tesao e como ele percebeu que eu não estava evitando mas sim gostando, ele desceu e meteu a boca no meu pau. Chupava meu pau como chupava um sorvete. Babava de tanto que saboreava minha vara, que ficava mais dura ao ver o pau dele pulsando de tesao. Não aguentei e pedi pra ele deitar.

Começamos a fazer um 69 de lado. Nunca havia chupado um pau, mas posso dizer que por ser o primeiro, estava uma delicia. O pau dele era grosso e todo sem pele, com a cabeça rosada completamente pra fora. Chupei o pau dele que nem pirulito e em seguida comecei a mamar aquele saco maravilhoso.

Ele se levantou e pediu pra eu cuspir na mão dele. Achei estranho mas o tesao era tanto que não pensei duas vezes. Ele caiu de quatro e começou a lubrificar o cu dele com meu cuspi. Massageava e enquanto os pelos curtinhos do cu dele iam ficando todos babado, ele me encarava com cara de puto. Falei:

- Cara que delicia! Quero muito te fuder! Mas tenho medo de ser sem camisinha.

- Não se preocupe, já tinha planejado e sonhado com isso ha um tempo.

Ele se levantou, me beijou novamente e em seguida tirou de um buraco de um dos tijolos do estuque um pacotinho. Eram camisinhas. Ele abriu uma e colocou na boca. Se ajoelhou e e desenrolou a camisinha no meu pau. Fiquei impressionado com a atitude e comentei:

- Cara, onde você aprendeu essas coisas?!

- Assistindo Nos filmes e batendo punheta no banho imaginando esse momento!

Ele caiu de quatro e se apoiou na mureta da portinha que dava acesso a laje. Acariciava com a cabeça do meu pau a entrada daquele cu peludinho e ao ver a vara dele por baixo pulsando e batendo no umbigo nele... Não resisti. Com medo de machuca-lo, enfiei lentamente meu pau no cu dele. Ele gemia baixo para não fazer barulho e em pouco tempo, sem ao menos estimular o pau dele, senti um barulho de gotas caindo no chão. Era gozo escorrendo do pau dele lentamente. Porra fresca de moleque de 13 anos, branquinha que nem leite. Ao ver aquilo não aguentei... Esporriei dentro daquele rabo quentinho.

Ele tirou a minha rola de dentro do cu dele, se levantou, tirou a minha camisinha, jogou de lado e deitamos. Nos beijamos e vimos que nossos paus estavam duros de novo. Batemos punheta novamente um para o outro e gozamos de novo.

Após duas gozadas me bateu aquele arrependimento pós gozo. E ele disse:

- Rafa, foi muito foda! Ninguém precisa saber do nosso segredo, beleza?!

- Claro né velho! Nem fudendo que isso sai daqui heim!

- Pode deixar!

Nos trocamos e quando voltei pra casa minha mãe já havia chegado.

Aquela foi a minha primeira vez... E foi mais do que da hora! Foi com meu brother e amigo Bruno!

A sorte era que morávamos no mesmo condomínio, ou seja, após aquela primeira experiência, rolou filmes pornos em casa e é claro... MUITO SEXO!

Autor: Rafael B.
E-mail - rafa_hotass@hotmail.com
MSN - rafa_hotass@hotmail.com
FONTE - Conto Enviado pelo Internauta