Depois de alguns anos da vida decidi me matricular em uma autoescola, com as novas regras do Detran eu precisaria fazer um conteúdo teórico e somente depois poderia tomar as aulas de direção. As aulas teóricas eram péssimas, os instrutores só falavam sacanagens em aula. Eu como exigente, não tolerava muitas coisas.

No intervalo de uma aula e outra eu observava os instrutores práticos, todos na mesma linha, só falavam sacanagens, o único que sempre manteve uma boa postura, era um que chamava-se Wander, sempre sério, muito educado, não tinha anel de casado, apenas um de são Jorge.

Os dias foram passando e cada vez mais eu sentia um desejo por este instrutor, ele era do tipo que eu gostava, aparentava ter uns 40 anos, cabelo arrumadinho começando a ficar grisalho, lindo, um corpo magro, que no uniforme social da autoescola ficava um tesão. Findada a parte teórica, fiz a prova, ao regressar para a autoescola para marcar as 20 horas de aulas de direção, a atendente pergunta se eu tinha alguma preferência, não hesitei, no mesmo instante, pedi para tomar as aulas com o Wander.

Depois fiquei pensando que o que eu havia feito poderia me prejudicar nas aulas de direção, pois, prestaria mais atenção nele do que no transito! Iniciadas as aulas eu desde o início muito sério, conversava pouco, aos poucos ao longo das aulas (eu fazia apenas uma aula por dia por conta do trabalho) ele foi conversando mais, mas sempre sobre minha postura no transito, lá pela 10ª aula já não tinha mais esperanças de ter absolutamente nada com ele. Seria mais uma das fantasias da minha cabeça.

Até que um belo dia tudo começa a tomar um novo rumo, neste dia Wander estava meio chateado, havia brigado com a esposa, segundo ele, ela era uma mulher que não o apoiava, só o criticava. Conversei muito com ele neste dia, falei que casamento era assim mesmo, mas que ele mantivesse sempre seus objetivos e caso ela não mudasse a postura com ele, que ele fosse viver a vida dele em paz, pois o que não falta neste mundo são pessoas que podem contribuir com nossa felicidade e crescimento pessoal e profissional.

Em seguida ele diz que a um tempo atrás apaixonou-se por “UMA PESSOA”, na hora veio em minha cabeça, homem de verdade não fala isto, ele falaria uma mulher, uma moça ou qualquer coisa do tipo. Mas achei que aquilo era coisa da minha cabeça.

Na aula seguinte, fomos fazer as tão temidas Balizes, ele me explicou eu fiz 2 com ele ao meu lado, depois ele saiu do carro e ficou do lado de fora dando as instruções. Até que uma coisa me chamou a atenção, enquanto eu tentava fazer as balizes, olhei pelo retrovisor que ele falava comigo e dava uma apertadas no pau sobre a calça, ai eu perdi totalmente a concentração, derrubei a 1ª balize, ele notou meu “nervosismo” e começou a rir, fiquei tão sem graça, pensei ele sacou que eu estava manjando ele apertar o pau. Ele entrou no carro e me disse que não era pra ficar nervoso, que fazer balize é complicado mesmo, pensei: complicado é ficar vendo você apertar esse pau do lado de fora! Mas ele disse que com o tempo eu pegaria a prática.

Na aula seguinte percebi que ele estava mais arrumadinho, estava cheiroso, um perfume amadeirado, cheiro de homem, de virilidade. Durante a aula percebi que ele dava umas apertadas no pau, principalmente na hora que eu iria passar as marchas. Aquilo me deixava louco, mas eu mantinha a linha. Isto se repetiu por mais duas aulas, mas eu ficava achando que era coisa da minha cabeça.

Até que completei 16 horas de aulas, segundo o Detran eu precisaria agora fazer 4 horas de aulas noturnas. Ele me levou para um local bem afastado de onde costumávamos tomar as aulas. Era uma área mais verde, com fazendas, uma estrada vazia que não passava uma viva alma, segundo ele lá seria melhor pra mim! Num dado momento da aula ele passa o carro para o gás, sendo que o carro evoluía pouco, mas cada vez mais estávamos entrando para um local de pouca luz, só dava pra ver os olhos de gato da pista.

Num dado momento o carro começou a trepidar tanto que morreu no meio da pista e eu não conseguia ligar, então ele pediu para deixar em ponto morto que o carro iria mover-se e eu deveria encostar ele num canto fora da pista, segundo ele, me explicaria regras básicas de mecânica! Assim eu fiz, só eu e ele naquela escuridão, só dava pra ver um pouco do rosto dele por conta das luzes do painel, tão bonito o rosto daquele homem com pouca luz.

Ele me disse que o carro havia morrido por conta do gás, pediu para que eu tirasse o meu cinto e ele tirou o dele também, pediu para que eu puxasse a alavanca para abrir a tampa do motor, eu não sabia onde ficava, mas eu achava que ela ficava do lado do motorista, mas segundo ele ficava próximo as pernas do carona e que eu deveria procurar, afinal numa situação de emergência eu poderia precisar me virar! Então me baixei e fiquei procurando a bendita alavanca, mas não a encontrava, eu praticamente estava com metade do tronco sobre as pernas dele.

Até que ele me pergunta: Está difícil de achar? Respondi que sim, ele então diz assim continua do jeito que você está, nesse momento ele fez um movimento para a frente, de modo que o pau dele encostou na minha nuca, pau duro, quente e latejante, por um instante eu não escutei mais nada com aquele pau na minha cabeça, até que me comprimindo contra seu corpo ele pega a minha mão e diz: Me da a sua mão que eu vou coloca-la na alavanca, nesse exato momento ele leva a minha mão até seu pau e me tasca um beijo.

Nossa, que boca era aquela, um beijo com sabor doce, nem sei por quanto tempo nos beijamos, até que ele coloca o pau para fora, que pau grande, não dava para ver direito por conta do escuro, cai de boca, macio, quente e saboroso, nossa, eu o chupava de uma maneira que ele se contorcia de prazer.

Fique o mamando por um bom tempo até que ele volta a me beijar, nisto me puxa para o banco de trás do carro, lá abaixa as minhas calcas e também me chupa, nossa, ele não tinha muito jeito não, mas estava gostoso, era uma adrenalina!

Voltamos a nos beijar, até que ele pega debaixo do assento uma maletinha e tira umas camisinhas e gel. Começa a me passar aquele gel e aos poucos vai me penetrando e me beijando, quando dei conta já sentia as bolas dele baterem, não senti dor, somente um imenso prazer, ficamos nesse movimento até que sinto ele aumentar o ritmo e morder meus lábios, em seguida ele urrava, ofegante pousa seu corpo sobre o meu, dava para sentir o coração dele bater.

Continuava com o pau dentro de mim, aos poucos foi amolecendo, ele voltou a me beijar e colocou sua cabeça sobre meu peito, eu fazia carinho nele, e senti que ele estava totalmente entregue a mim.

Ficamos assim por um tempo e perdemos um pouco a noção de hora, mas precisávamos voltar para a auto escola, nos arrumamos e no caminho ele sorria e eu também, me deu a mão enquanto eu dirigia.

Chegamos na autoescola e ele me agradeceu e disse até amanhã. No dia seguinte repetimos a dose no mesmo local, foi melhor ainda, mas essa seria a minha ultima aula, pensei comigo, hoje tudo acaba! Mas ao contrario, ele pediu meu telefone, passados 2 dias, num dia de sábado a noite ele me liga e pergunta como eu estava, se queria sair pra jantar, pois a esposa dele estava na casa da sogra com os filhos e só voltaria na outra semana, passei meu endereço a ele, quando abri a porta ele estava lindo, arrumadinho, cheiroso, fomos jantar e depois ele veio aqui pra casa, passamos a noite fazendo amor, ele foi embora na segunda pela manhã.

Desde então estamos nos vendo quando ele pode, percebi que ele sempre tenta dar um jeito de vir ao meu encontro, não peço nada, afinal sei que ele é casado, mas do jeito que está me faz muito bem, tenho medo de me apaixonar mais do que estou, mas a vida é assim mesmo, temos de nos permitir e pagar para ver.

Bem queridos, essa é a minha história!

Autor: Marco
E-mail - marcoaurelio.cgg@gmail.com
MSN - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.