EU= Daqui a pouco eu vou subir e ir na casa do nosso professor.

O Edu fez uma cara de espanto.EU= Se não tivesse acontecido da gente transar, eu tinha passado a noite na casa dele. Tenho que dar uma satisfação.

EDU= Você não vai lá, entendeu? Eu não quero você com intimidade com ele.

EDU= Você vai me prometer, que nunca mais vai transar com ele ou com qualquer outro a não ser comigo.

EU= Prometo.

EDU= Então eu vou com você.

EU= Claro que não. Você tem que confiar em mim. (DEI UM BEIJNHO NA SUA BOCA)

EU= Assim que os seus pais chegarem eu subo e vou falar com o André, depois eu volto e você vai comigo para a minha casa e passa a noite todinha comigo. (VOLTEI A BEIJÁ-LO)

O Edu pensou um pouco e concordou.

EDU= Está bem, mais nada de ficar o chamando pelo nome. Ele é o nosso professor.

EU= Vou chamá-lo de professor André, ok?

EDU= Ok.

EU= (SORRI) Por acaso você está com ciúmes de mim com ele?

EDU= Não é ciúmes. (CARA DE ZANGADO E PUTO)

EU= É ciúmes sim. (DEI UMA RISADA E SENTEI NO SEU COLO)

EDU= Quem ama cuida sabia?

EU= Que bonitinho!!!!!!!! Voltei a beijá-lo só que desta vez não era só um beijinho, era um beijo de desejo.

O seu pinto foi crescendo conforme eu ia esfregando a minha bunda nele.

O Edu segurou e mirou o seu pau no meu cuzinho e eu fui sentando.

EDU= Que gostoso sentir o meu pau entrando no seu cú. (SEGURANDO NA MINHA CINTURA)

Fui forçando o meu corpo para baixo e quando alojou o se pau bem no fundo do meu cuzinho, parei e soltei um gritinho agudo.

Rebolei meu quadril para ajeitar melhor aquele pinto gostoso dentro de mim. Estiquei a minha coluna e arrebitei minha bundinha para começar a rebolar no seupau.

EU= Que pinto gostoso. (GEMIAMOS JUNTOS)

Suas mãos sob as minhas nádegas me forçando para cima. Entendi perfeitamente o que ele queriae comecei os meus movimentos de sobe e desce. Senti o meu cuzinho percorrertodo o seu pinto. E cada vez que eu aumentava os movimentos o Edu gemia mais alto.

Ele me puxava para me beijar enquanto eu cavalgava gostoso nele. Tentei diminuir o ritmo de vai vem para curtir um pouco mais e prolongar a nossa foda.

EDU= Devagar não!!! Fode com força!!!!! (ORDENANDO)

O seu rosto parecia de um louco com os seus olhos esbugalhados a sua boca semi- aberta e a língua para fora.

Voltei a beijá-lo, um beijo bem dado faz o macho acalmar quando ele está fora de controle. O beijo era profundo eu subia e descia feito um alucinado.

EDU= Você é gostoso demais... Gostoso demais... Tesão... Tesão... Você é meu... Você é meu... Todinho meu... (FALAVA REPETIDAS VEZES)

EDU= Vo gozarrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!!!! Hummmmmmmmmmmmmm!! Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm!! Hummmmmmmmmmmm!! To Gozandooooooooooooooooooooooooooooooo!! Hummmmmmmmmmmmmmmm!!! Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm!!

Abracei-o fortemente com as minhas mãos e pernas.e, senti os seguidos jorros de porras quentes me encherem o cuzinho.Sai de cima dele e deitei do seu lado.

EU= Vem!! Sobe em cima de mim e fica esfregando o seu pinto babado na minha bunda. (PUXANDO ELE PELO BRAÇO) Vem!!!

Eu adoro um macho em cima de mim.

O Edu passou a se esfregar em mim e beijar a minha nuca e dar mordidas na minha orelha. E eu gemia feito uma putinha diante de tanto tesão que ele estava me causando.

Ele me deu um puxão segurando na minha cintura me fazendo ficar de bruços, olhei para trás, para a sua cara e fiz cara de vadia mordendo os meus próprios lábios e me penetrou, vigorosamente, de uma única vez.

EU= (DEI UM GRITINHO)O Edu só gemia.

Ele me fodia com vigor de macho. Ele me dominava. E eu gostava daquela dominação. Passei a rebolar em sua pica. Jogar minha bunda para trás, de encontro ao seu pinto. Ele gemia e me xingava.

EDU= Você é uma bichinha vagabunda, mais agora eu sou o teu dono. Seu viado safado. Agora você é a minha mulher. Esse cú agora é só meu, entendeu? (ME DEU UM TAPA NA BUNDA)

EU= Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!! Que delicia!!!!!!!!!!!! Vai meu homem. Meu macho!! Fode o cuzinho da sua mulherzinha vai!!!! Vai!!!! Issoooooooooooooo!! Isssooooooo!!! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!

Que piroca mais tesuda e gostosa. Mete! Mete mais!!! Hummmmmmmmmmmmmm!! Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!! Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm!!

EDU= To gozando meu amorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!! Hummmmmmmmmmm!! To enchendo o seu cuzinho com a minha porra!!! Hummmmmmmm!!Mesmo depois de já ter terminado de gozar o Edu continuava a bombar.

EDU= Nossa!!!!!!!!!!! Com é bom meter num cú!!!Ele metia com tanta violência que a sua porra escorria pelas minhas pernas.

O Edu foi se acalmando e diminuindo as bombadas até parar por completo e se jogar no chão. Meu cuzinho expulsava muita porra de dentro dele e eu passava as minhas mãos entre as minhas pernas e pegava aquele esperma. Colocava-o em minha boca.

EU= (ACARICIAVA OS SEUS CABELOS) Ontem foi a sua primeira vez, e hoje você já está fudendo como se tivesse muita experiência. (DEI UM BEIJINHO DE ESTALINHO)

EDU= Eu não quero te decepcionar. Quero ser o melhor, e te dar muito prazer meu amor.

EU= Você esta sendo o melhor, não se preocupe com isso.

EDU= Quero que você me ensine tudo!

EU= Você já sabe! E eu to amando trepar com você.

EDU= Vamos tomar um banho, meu amor! Os meus pais podem chegar de uma hora para outra.

EU= Vamos sim.Estávamos tomando banho e um ensaboava o outro e trocávamos muitos beijos e carinhos.

EDU= Posso te pedir uma coisa?

EU= (CONFIRMEI COM A CABEÇA)

EDU= Me prometa que você não vai conversar com o professor, não hoje. (ME ABRAÇANDO) Me prometa.

EU= Está bem! Eu prometo!O Edu me beijou me abraçou e deu um sorriso.

EDU= Obrigado.

Terminamos o nosso banho e vestimos as roupas. Arrumamos a sala que estava um pouco bagunçada e limpamos o tapete que tinha vários pingos de porra nele.

Não demorou muito e os pais do Edu chegaram, ficamos conversando um pouco e o Edu falou com os pais que iria dormir em minha casa.

Fomos para o seu quarto e ele arrumou a mochila com o material que ia usar no dia seguinte e acrescentou uma cueca, um short e uma camiseta. E assim que estávamos já na rua, encontramos o Ricardo, precisávamos de uma boa desculpa para dizer o motivo de não de ido a aula hoje.

RICARDO= O que aconteceu? Alguém pode me explicar?

Eu fui para aula e vocês dois, não apareceram para estudar.

EDU= É que acabamos dormindo de novo, e quando acordamos já era bem tarde.

RICARDO= (OLHANDO PARA A MOCHILA DO EDU) Aonde você vai amigo! Se você não foi para colégio e está de mochila, para algum lugar vocês vão.

EU= O Edu vai para a minha casa.

RICARDO PARA O EDU= Você vai dormir na casa do Yuri? (SEM ESPERAR UMA RESPOSTA) Eu também vou. Vocês me esperam aqui que vou rapidinho em casa, e aviso os meus pais. (SAIU CORRENDO)

EDU= Que droga, Yuri. O que vamos fazer agora!

EU= Sei lá!

EDU= Eu queria ficar juntinho com você e com o Ricardo não vai rolar. Mais que merda!!!! (PUTO DA VIDA)

Em minutos o Ricardo já tinha voltado e com a sua mochila nas costas. Chegando em casa a minha mãe preparou um lanche para nós.

Tomamos um banho, um de cada vez é claro! E ficamos em frente de minha casa, sentados na calçada até bem tarde. De vez em quando eu e o Edu nos olhávamos discretamente, estávamos loucos para trepar e não podíamos fazer nada, nem mesmo dar uns beijinhos ou uns amassos.

Algumas vezes eu olhava para o meio das pernas do Edu e o seu pinto estava duro e fazia um volume que me deixava louquinho para cair de boca. E ele parecia que estava no cio, me olhava com cara de tarado e me disse uma hora que o Ricardo foi beber água que o seu pinto estava doendo de tanto de tesão e vontade de comer o meu cuzinho.

Deu até para dar uma pegadinha e o sentir latejando em minha mão e a babinha que saia do seu pau. Passei a babinha nos meus lábios.EU= Sua porra está tão gostosa. (FIZ CARA DE SAFADO)

O Ricardo voltou e tivemos que parar com a putaria. Ia ser foda dormir no mesmo quarto com o Edu e não poder fazer nada nem mesmo uma deliciosa sacanagem.

Fomos dormir, na verdade eu até tentei mais não conseguia, a minha vontade de dar para o Edu era maior que tudo.

Quis até em arriscar e ir para o colchão dele e fiquei receoso com o Ricardo no mesmo quarto.O Ricardo é muito preconceituoso e falava sempre que detestava gays...

Ele dizia que homem que gostava de homem tinha tudo que morrer. Teve uma vez que ele viu um amigo dele com outro cara numa situação muito suspeita e ele contou para toda a escola.

O amigo dele virou chacota da escola toda e teve até que mudar de colégio. Por esse motivo resolvi ficar na minha em minha cama e tentar dormir.

Sorrateiramente o Edu veio deslizando pelo chão até a minha cama, fiquei apavorado com aquilo mais p meu tesão gritou mais alto.

Ele ficou deitado no chão do outro lado da cama, onde o Ricardo se acordasse não poderia o ver, com a mão ele enfiou debaixo do lençol que me cobria e procurou a minha bunda.

Desci o máximo que pude do meu short e o Edu foi enfiando o dedo no meu cuzinho. Nossa!!! Que vontade de gemer feito uma putinha, mais não podia emitir som algum.

O Edu tirava e botava o seu dedo molhado de cuspi e eu só rebolando e desejando cada vez mais o seu pinto no lugar do seu dedo. Não sabia mais o que era pior!

Eu ficar sem sexo com ele no meu quarto e o Ricardo atrapalhando tudo ou o Edu ali me fudendo com o dedo, me deixando mais louco. Acabei perdendo a razão e indo para cima do Edu que estava no chão.

EU= (FALANDO NO OUVIDO DO EDUARDO) Eu não agüento mais, me dá o seu pinto para chupar.

O Edu foi me empurrando para baixo.

EU= (VOLTANDO A FALAR NO SEU OUVIDO) Fique em silêncio, cuidado!

O Ricardo pode ouvir.

O Edu continuou a me empurrar para baixo e quando cheguei ao seu pau já fui enfiando todo ele na boca. Não podia perder tempo, queria a sua porra o mais rápido possível.

Eu chupava forte e dava umas paradinhas no meio da chupação, deixando só a cabecinha na minha boca e batia uma punheta para ele.

O seu corpo se contorcia e ele passou a segurar firme em minha cabeça me fazendo engolir o seu pinto todinho. Nada de som, nada de suspiros fortes e nada de gemidos. Nossa!!!!! Que tortura estava tendo naquele momento de prazer.

Peguei no seu saco e dava pequenos puxões, mais com suavidade. Voltei para o seu pau e o segurei com firmeza e o pus em minha boca fazendo-o deslizar até a minha garganta.

O chupava como se fosse o ultimo da terra deixando a minha boca sempre com bastante saliva.

O primeiro jato de porra veio bem grosso, depois mais um, mais outro, mais e mais que eu tratei de engolir tudinho.Sem dizer nada, voltei para a minha cama e o Edu voltou para o seu colchonete e dormi com o gosto da porra do meu machinho.

No dia seguinte o Ricardo e o Edu foram embora bem cedo, mais antes do almoço o Edu me liga dizendo que queria me ver.

Marcamos de sair à noite e dar a desculpa para os meus pais dele dormir novamente em minha casa por que era muito tarde.

FIM.

(CONTINUAÇÃO)

Autor: Peter
E-mail - peterpanrj16@hotmail.com
MSN - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.