Na época tinha pouca idade, hoje tenho 22, eu estava com 1,71m e uns 67 kg, mas o que realmente chamava a atenção era minha bundinha, muito arrebitada e com 80 cm de quadris.

Meu irmão tinha um amigo chamado Juca, muito íntimo da família, sempre passava lá em casa para bater um papo e ficava para o jantar. Ficava muito desconcertado e sem graça, pois o Juca tinha uma maneira estranha de me encarar, parecia que me comia com os olhos. Mas foi num final de semana que as coisas mudaram.

Tínhamos ido para a nossa fazenda e todos jogavam voleibol e eu assistia do alpendre. Notei que o Juca não estava jogando, continuei a assistir e de repente sentir uma mão pegando em meu tornozelo, subindo e acariciando em direção a minha bunda. Caramba! Eu gelei... Meu coração disparou... Fiquei nervoso e ao mesmo tempo um pouquinho excitado...

Fiquei paralisado, não tive medo, pois tinha certeza que era o Juca e continuei a assistir ao jogo... Sentia sua mão afastando meu calção... Comecei a suar e quando sentir seu dedo alisar meu ânus, não resistir e me contrair todo... Comecei a ficar fiquei apavorado, era muito novinho na época e a situação que estava passando era algo novo, esquisito e não sabia o que fazer...

Tentei me controlar e continuei fingindo assistir ao jogo, mas quando o Juca baixou meu calção, me desesperei, pois tinha o hábito de não usar cueca e isso facilitou muito a vida dele...

Juca introduziu sua língua quente deslizando-a no sentido de minha regadinha até meu anel... Ufa! Como gemi baixinho e me contorci...

Juca então falou: “Isso sua bichinha virgem... Adoro seus gemidinhos e o aperto desta bundinha macia”... Sentia sua língua deslizar e sendo forçada para dentro de meu cuzinho...

Comecei a ficar muito excitado... Suava muito e sentia como se meu coração quisesse sair pela boca... Juca começou a esfregar a cabeça de sua rola em meu ânus e sentia meu cuzinho todo melecado e lubrificado... Ainda não tinha idéia do volume de Juca...

Sentia Juca morder e beliscar minha bunda, alisando-a muito... Juca falava baixinho em meu ouvido: “Vou adorar tirar sua virgindade, seu veadinho enrustido, pensa que não sei que você está doido por isto”... Juca encostou sua rola em meu anel e ao sentir o calor daquele contato eu gemi baixinho...

A sensação daquele contato foi algo que nunca havia sentido antes... Juca devagar foi forçando sua rola no sentido de meu anel e lentamente sua rola entrava em meu rabinho virgem... Puxa vida! Estava acontecendo e não tinha mais volta...

Achei estranho sentir aquele volume entrando e abrindo caminho lentamente dentro de minha bunda, como latejava forte aquele cacete grosso e duro dentro de meu rabinho...

Juca empurrava mais e mais e mais... Nesse momento eu gemi e implorei baixinho: “Pareee... Não quero... Ai, ai, ui”... Juca continuou a empurrar mais e mais e falou: “Calma meu veadinho isto é só a metade... Juca segurou minha cintura e forçou mais e mais seu pau dentro de minha bunda...

Tentava me controlar e assistir ao jogo, mas estava ficando muito difícil tentar fingir que nada estava acontecendo comigo naquele momento... O pior é que num certo momento meu irmão gritou: “O Sandro vem jogar”... Até hoje não sei aonde arranjei forças e voz para responder que não queria... Juca não parava e enfiava mais e mais, se deliciava com a situação de dominação total...

Ao sentir o contato de seus testículos com a minha bunda, sentir um pequeno alívio, pois o Juca ficava alguns minutos sem se mexer, com a rola toda enterrada em minha bunda, beijando minhas costas, mordendo meu pescoço e alisando minha bunda... Juca falava baixinho em meu ouvido: “Veadinho do rabinho apertado, você nunca mais vai me esquecer”... Juca começou um vai e vem forte e rápido...

Tentei não gritar, mas estava ficando muito difícil, mesmo assim ainda soltei uns gritinhos e implorava: “Pare, por favor, eu não quero... Paaare e prometo que faço o que você quiser”... Não adiantou implorar... Acho que foi até pior, pois nesse momento o Juca continuou mais rápido e forte sem parar...

Foram várias e várias vezes até quando sentir ele se contorcendo todo, gemendo e seu cacete dentro de mim latejando muito rapidamente...

Juca me apertava forte e nessa hora descobrir o que é um macho gozando forte dentro de meu rabinho pela primeira vez... Sentia o esperma quente jorrado com força dentro de mim, foi uma sensação que nunca conseguir esquecer. Juca ainda ficou dentro de mim por alguns minutos e sentia sua rola ainda latejando forte dentro de mim...

Logo depois Juca retirou lentamente sua rola de dentro de minha bunda... Minha cabeça estava a mil com tudo que estava acontecendo e uma coisa me deixou muito assustado, sentia minha rola supersensível e totalmente flácida e toda melada se sêmen, parecia que tinha gozado... Juca notou e falou: “Seu destino está traçado”...

Juca beijou minha bunda e chupou forte deixando uma marca de chupão e foi jogar voleibol como se nada tivesse acontecido. Continuei ali parado sem ação observando o pessoal fazer festa com a chegada de Juca ao jogo... Meu irmão ainda falou: “Ainda bem que apareceu. Pensei que ia passar tarde toda dormindo”...

Fui para o meu quarto e não sabia o que fazer... Meus pensamentos estavam confusos... Havia sido desvirginado mesmo sem ter pedido por aquilo e havia sentido prazer... Fiquei deitado e adormeci...

Quando acordei já era noite e fui tomar um banho e novamente dormir...

O Juca ainda me possuiu algumas vezes e uma delas aconteceu em minha casa, mas depois conto se tiver coragem...

Sandro

Autor: Sandro Becker
E-mail - virtuais@latinmail.com
MSN - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.